Pular para o conteúdo principal
Logistica collaborativa
Por Christophe Viry
on 26 Feb 2019 12:00 PM

Sempre à procura de soluções inovadoras para ganhar competitividade, as empresas estão agora embarcando na colaboração com seus clientes e fornecedores. À medida que as trocas se intensificam e se tornam mais digitais, novos modelos de parceria estão surgindo no setor da Supply Chain, particularmente em torno da gestão de estoques, compras, transporte, operações promocionais… Neste artigo, vamos olhar para o crescimento da colaboração multi-empresarial.

As empresas mais produtivas em modo colaborativo

A colaboração entre empresas está prestes a se tornar a próxima revolução em inovação e ganhos de produtividade. Segundo a Equinix, 84% das empresas pesquisadas devem implantar uma infraestrutura baseada na colaboração para aumentar as receitas e reduzir custos.

É uma estratégia que vale a pena, já que "mais de um terço das empresas que já estão implementando uma estratégia de colaboração geram mais de 10 milhões de dólares em renda adicional (58%) e redução de custos (42%)com um ROI em um prazo médio de 4,2 meses". Um estudo conduzido sobre o assunto pela Universidade de Stanford também conclui que as empresas colaborativas são 5% mais lucrativas e 6% mais produtivas do que outras.

Sobre o mesmo assunto: [Vídeos] A transformação colaborativa da Supply Chain

Um ponto a ter em mente é que, para atingir um ótimo desempenho, essas empresas devem integrar a colaboração em todos os processos existentes em sua estrutura, evitando situações híbridas e desconstruindo organizações internas. A cadeia de valor está se reinventando, os diferentes departamentos da empresa devem estar alinhados para ter uma Supply Chain única e integrada.

Este último vai depender dos recursos e meios de fornecedores e prestadores de serviços logísticos. A nova cadeia de valor da empresa é a fusão de Supply Chain em sua rede estendida.

Barreiras na colaboração multi-empresarial

Apesar dos números promissores, ainda existem vários obstáculos que penalizam o desenvolvimento de soluções de colaboração entre empresas, tanto pelas principais empresas como pelos fornecedores.

Antes de iniciar uma colaboração com seus fornecedores, qualquer empresa deve desenvolver uma plataforma adaptada às suas necessidades e exigências. Será então, quando eles puderem começar com o processo de comunicação em torno da plataforma colaborativa e com a integração dos colaboradores ao projeto. Esta é uma operação que pode levar vários meses para ser realizada, pois nem todos os fornecedores estão propensos a mudar sua maneira de trabalhar.

Do ponto de vista do fornecedor, você pode encontrar várias plataformas às quais você deve se adaptar. Se não houver interoperabilidade entre as soluções adotadas por cada empresa, o uso de várias plataformas pode ser caro, até mesmo não rentável.

Benefícios significativos para todas as partes interessadas

Para que a colaboração multi-empresas seja benéfica, é necessário gerar valor para ambas as partes, fornecedores e distribuidores. Mas como? Confiando no ecossistema e nas capacidades de cada parte envolvida.

Ao trabalhar com seus fornecedores, os distribuidores podem delegar algumas das operações anteriormente de sua responsabilidade. Essa prática permitirá economizar tempo e, dessa forma, melhorar sua produtividade ou dedicar-se ao desenvolvimento de atividades comerciais.

Por parte dos fornecedores, essa nova carga de trabalho permite que eles expandam seu campo de intervenção. Trabalhar com os distribuidores permitirá que eles controlem o fluxo logístico das mercadorias (embarques e recebimentos) e, no longo prazo, otimizem os estoques, planejem a produção e melhorem o volume de suas vendas.

Use um VMI para gerenciar melhor seus suprimentos

Entre as várias formas de colaboração entre empresas, o VMI (ou Vendor Inventory Management) continua sendo um exemplo significativo. Esse sistema compartilhado de gerenciamento de suprimentos permite que os fornecedores controlem o estoque de armazéns e pontos de venda de seus clientes.

Ao ter acesso às vendas e estoques em diferentes pontos de distribuição, os fabricantes podem calcular as necessidades e antecipar as entregas. O objetivo? Reduzir o armazenamento em 2 e otimizar o desempenho de vendas, evitando rupturas.

Leia também: Interpretar seus indicadores de gestão de estoques: a chave para o sucesso?

Como exemplo do interesse econômico dessa fórmula para os fornecedores, podemos garantir que a otimização dos reabastecimentos permitiu que a Unilever aumentasse suas vendas em 1% e a Nestlé ganhasse cerca de 100 milhões de euros por ano.

Para aproveitar as oportunidades oferecidas pela colaboração entre empresas, você pode confiar na plataforma Generix Supply Chain Hub. Essa solução no modo SaaS combina recursos para gerenciar fluxos físicos, digitalizar fluxos de informações, colaborar com usuários de negócios e conectar empresas com parceiros em tempo real. Para mais informações, não hesite em nos contatar.

 

Contato com especialistas da Generix Group Supply Chain

 

Fonte da imagem: Pixabay – Tumisu

Christophe Viry

Expert in EDI, Software integration, e-invoicing…