Pular para o conteúdo principal
labor shortage transportation generix
Por Isabelle Badoc
on 07 Jun 2019 5:00 AM
  • TMS/WMS

O setor de transporte de cargas está enfrentando atualmente uma crise sem precedentes. Com as exigências de entrega crescendo, o mercado está tendo dificuldades para acompanhar o ritmo. A razão por trás disso tudo é uma variabilidade excessiva de demanda e uma dificuldade cada vez maior de gerenciar a sazonalidade. Como resultado, a escassez de mão-de-obra nos transportes faz todo o setor tremer. Aqui está um resumo do estado das coisas.

O setor de logística em busca de mão de obra

Para entender a atual escassez de transporte e logística, várias federações de empregadores, incluindo a Federação Francesa de Transporte Rodoviário (FNTR) e o Sindicato das Empresas de Transporte e Logística (TLF), realizaram, de 22 de setembro a 10 de novembro de 2017, uma ampla Pesquisa de alto nível sobre todas as empresas do setor. O resultado: as 1.666 empresas que responderam à pesquisa confirmaram que 22.363 postos de trabalho, incluindo mais de 14.000 vagas para motoristas, precisariam ser preenchidos até o final de 2018.

Estes números excedem a estimativa inicial de 20.000 posições e demonstram como é difícil encontrar novos condutores de frete rodoviário e preparadores de pedidos. De acordo com um estudo recente realizado pela Manpower Group, esta situação é o resultado de perspectivas de emprego desfavoráveis. Uma teoria que é calorosamente contestada pelo presidente da FM Logistic, cuja empresa, apoiada por um forte sucesso de vendas e desenvolvimento econômico, espera criar mais de 1.500 empregos este ano.

Por que tal escassez de mão-de-obra no transporte?

Na França, o setor de transporte e logística precisa enfrentar uma demanda cada vez maior, mas as empresas estão lutando para encontrar os funcionários para preencher as posições que criaram. Com os motoristas franceses voltando as costas para o setor, é impossível para os diretores de empresas confiarem em trabalhadores europeus que estão ocupados o bastante com o aumento de volumes em seus próprios mercados.

Os candidatos são difíceis de encontrar no setor porque:

Esses fatores contextuais impactam fortemente o setor, mas podem ser aliviados, em parte, com os avanços mais recentes em tecnologia para gerenciar frotas e otimizar o transporte de cargas, principalmente na forma de soluções do tipo TMS.

Outro fator por trás dessa escassez de mão-de-obra é o fortalecimento da regulamentação francesa sobre a cabotagem rodoviária para o transporte de mercadorias. Segundo o site do Ministério da Transição Ecológica e Inclusiva da França, as empresas registradas fora da França podem, após uma rota internacional que termina na França, realizar no máximo 3 operações de cabotagem no prazo máximo de 7 dias. Esses regulamentos impõem restrições aos contratados e motoristas principais e, portanto, impactam negativamente o processo de contratação no setor.

Quais soluções para lidar com essa escassez?

Novas tecnologias

Como é cada vez mais difícil contratar trabalhadores, algumas empresas são obrigadas a recusar contratos. Essas decisões afetam os preços das propostas e geram tensões em toda a cadeia logística. Como resultado, as entregas atrasadas se tornam comuns e certas cargas não podem ser transportadas.

Para resolver esse problema, torna-se crucial encontrar uma maneira de otimizar as cargas para atender a uma demanda cada vez maior, sem depender de uma força de trabalho maior. A principal alavanca para as empresas do setor é a digitalização das operações e o gerenciamento das relações com os transportadores. Dentro deste contexto, uma solução do tipo TMS se destaca por seus importantes benefícios. Ele permite que você acesse uma base crescente de transportadores e coordene as operações remotamente, ao mesmo tempo em que simplifica as cargas.

Mesmo assim, um paradoxo pode ser visto à distância. Impulsionados pelo sentimento de liberdade que a estrada lhes proporciona, os motoristas expressaram temores sobre o desenvolvimento de novas tecnologias que são usadas para regular sua profissão. No entanto, é essa mesma tecnologia que permitirá que os diretores da empresa encontrem uma solução para a atual escassez de mão-de-obra no transporte.

Treinamento e conscientização

Para deixar de lado os temores dos motoristas, as empresas precisam orientar seus trabalhadores através do processo de digitalização. É por isso que a AFTRAL (organização de treinamento na área de transporte e logística) criou uma parceria com um dos líderes de soluções de software de logística. Objetivo: garantir que os estagiários estejam prontos para o trabalho o mais rápido possível, dando-lhes experiência prática com as ferramentas mais recentes durante seus estágios. "Graças a essa parceria, podemos usar um software profissional para atender às necessidades atuais e futuras das empresas do setor de Supply Chain", afirma Michel Pernot, diretor de operações da AFTRAL Northern France.

Também devem ser feitos esforços para reconstruir a imagem do setor. Cerca de 30% dos condutores atualmente empregados têm mais de 50 anos - uma situação que não retrata o setor de forma favorável entre as gerações mais jovens. Empenhado em inverter a tendência, o Club Déméter, uma associação dedicada à logística sustentável, estabeleceu parcerias para promover a profissão de condutor de carga rodoviária. A associação também criou um grupo de trabalho dedicado ao status de motorista-entregador. Essas etapas iniciais são promissoras e devem ser levadas adiante se quisermos elevar o padrão.

Apesar da escassez de mão de obra no setor de transporte, o setor ainda não teve sua última palavra. Contribui para o crescimento econômico do país e cria oportunidades de emprego em massa. No entanto, se o setor pretende atingir todo o seu potencial de crescimento, terá que passar por uma profunda transformação para atrair jovens candidatos. Um passo vital para alcançar isso é integrando e promovendo tecnologia que moldará a profissão de amanhã.

Fonte da imagem: Pixabay – Tama66

Isabelle Badoc

Expert in Supply Chain, Warehouse Management, Transport Management, e-commerce Logistics …