Pular para o conteúdo principal
geopolitica e supply chain
Por Jean-Charles D…
on 10 Dec 2019 3:00 AM

No atual clima de intensificação das relações internacionais, não faltam desafios quando se trata da Supply Chain. Além de buscar medidas de redução de custos, sua empresa precisa encontrar as alavancas de crescimento organizacional e tecnológico necessárias para atrair novos clientes e fidelizar os atuais. Então, quais são exatamente os maiores desafios de uma Supply Chain internacional e quais as consequências que os assuntos geopolíticos terão sobre as empresas globalizadas? Neste artigo, vamos contar a você como se manter firme no tabuleiro de xadrez do mundo.

 

Riscos geopolíticos na Supply Chain 

Os riscos geopolíticos naturais são onipresentes e quase imprevisíveis. Eles podem levar a efeitos catastróficos na Supply Chain, caso um elo da cadeia seja quebrado. Para limitar o risco, as empresas de renome internacional devem pensar globalmente e, ao mesmo tempo, fazer o máximo para trabalhar perto de casa, seguindo os códigos da cultura local.

 

Riscos socioambientais

De acordo com o departamento de certificação e análise da BSI, 40% das importações americanas feitas em 2013 vieram de países sujeitos a riscos naturais. Por exemplo, estima-se que o tsunami e o terremoto japonês de 2011 custaram ao país 210 bilhões de dólares.

Do ponto de vista social, 72% das roupas e calçados importados para os Estados Unidos em 2013 foram produzidos em países com alto risco de más condições de trabalho, de acordo com a análise resumida do desempenho das vendas da Nike.

 

Riscos econômicos e políticos

Segundo a Nike, 28% das empresas são afetadas por taxas de câmbio voláteis causadas pela instabilidade econômica europeia. Em seu relatório (Global Risks report) de 2015, o Fórum Econômico Mundial considera as tensões geopolíticas a maior ameaça para as empresas nos próximos anos. Segundo a BSI, as cadeias de suprimentos são regularmente alvo de organizações terroristas, com ataques ocorrendo a cada sete dias.

Manifestações e outros atos de mobilização como os protestos do "colete amarelo" na França, podem ser um grande distúrbio no intercâmbio de vendas e no transporte de mercadorias. Tais conflitos políticos e períodos econômicos turbulentos incitam os players da Supply Chain a melhorar a flexibilidade e limitar os efeitos de eventos imprevistos.

 

A imposição de impostos alfandegários

Com o aumento dos preços dos combustíveis, a imposição de impostos alfandegários também pode impactar a Supply Chain, não muito diferente da guerra comercial iniciada por Donald Trump em 2018. Em junho, ele foi atrás da União Européia, Canadá e México, impondo uma taxa de 10 a 25% sobre aço e alumínio exportados para os Estados Unidos. Então a China, que por sua vez, deve arcar com o ônus dos impostos alfandegários sobre a exportação de produtos chineses, estimados em US$ 200 bilhões.

Em resposta a esses ataques, o governo chinês responde com a aplicação de tarifas punitivas aos produtos dos EUA importados para a China. A quantidade anual de produtos em questão é estimada em 60 bilhões de dólares. Tais medidas protecionistas implementadas pelo presidente americano, por sua vez, afetam a economia mundial.

 

O aumento dos preços do petróleo

Entre 2014 e 2016, o preço do barril de petróleo bruto aumentou 60%. O pico teve pesadas consequências para locais de fornecimento que vendem produtos e commodities de baixo valor. Isso também desequilibrou os negócios mundiais, levando a uma produção nacional mais agressiva.

Os preços crescentes do petróleo certamente desempenham um papel importante na Supply Chain e na estratégia econômica. Do ponto de vista logístico, as redes atuais, que operam com base em itens de custo equilibrado (transporte, armazenamento e gerenciamento de estoque), poderiam ser questionadas se os preços do petróleo continuarem a subir. Se isso ocorrer, o gerenciamento de transporte e fornecimento seria afetado.

 

Mercados mundiais que pressionam a infraestrutura

Diante da crescente incerteza, a infra-estrutura se tornou um grande desafio para quem lida com fluxos comerciais. Navios de carga estão aumentando seus volumes de embarque e o Canal de Suez foi ampliado e modernizado em 2015. Nos EUA, o tráfego rodoviário dobra a cada 28 anos, enquanto a Índia vê 40% do seu tráfego em 2% das estradas do país.

Isso coloca uma enorme pressão sobre as rotas de transporte, que envelhecem e se tornam gradualmente saturadas, às vezes até obsoletas por falta de recursos. Os danos também estão aumentando - várias pontes desabaram em 2007 no rio Mississippi e, em 2018, uma caiu em pedaços acima da cidade de Gênova, na Itália.

A renovação (e construção) da infraestrutura é hoje um verdadeiro condutor estratégico para governos em todo o mundo. No entanto, nem todos os países são iguais a esse respeito. Nos mercados ocidentais, o e-commerce está bem estabelecido, apesar da diferença entre serviços e tipos de consumo entre a Europa e os EUA. Enquanto isso, na China, as empresas devem se adaptar a dois perfis de consumidores muito diferentes: um urbano e interessado em qualidade e serviços, e o outro rural, massa consumidora de produtos de baixo custo.

Na África, as vendas on-line oferecem um enorme potencial, desde que as empresas possam implantar serviços bancários com sucesso e construir a infraestrutura necessária. No Oriente Médio - Líbia, Síria e Iêmen - não faltam recursos. As grandes agitações sociais e políticas, no entanto, limitam o potencial da posição internacional altamente estratégica da região.

 

Investimento em infraestrutura: a China em destaque

Para se destacar no mercado internacional, governos e multinacionais estão investindo maciçamente para obter o controle da infraestrutura. Esse é particularmente o caso da China, que atualmente está apoiando vários projetos de desenvolvimento estratégico.


Iniciativa do Cinturão e Rota (Belt and Road)

O chamado projeto "Nova Rota da Seda" foi apresentado em 2013 pelo presidente Xi Jinping. O objetivo é fortalecer a posição da China no cenário mundial, além de manter a conexão com o resto do mundo, caso surjam tensões militares nas regiões costeiras.

A Iniciativa do Cinturão e Rota é um dos projetos mais ambiciosos do mundo moderno e busca desenvolver conexões marítimas e ferroviárias entre a China e a Europa. É um equivalente massivo da estratégia “Colar de pérolas” (String of Pearls) e uma prioridade do programa político “Sonho chinês” anunciado por Xi Jinping.


A estratégia do Colar de Pérolas

Essa estratégia é projetada para manter os portos situados ao longo do Oceano Índico sob controle, emprestando fundos a nações que desejam manter o controle de seu território costeiro. Isso promove projetos nos países que de outra forma não receberiam financiamento.

Esse investimento financeiro na construção de infraestrutura permite que a China desenvolva parcerias com países vizinhos, permitindo que o país obtenha o controle da infraestrutura, caso o reembolso se torne impossível. Essa estratégia se assemelha muito ao caso do Sri Lanka, quando o país emprestou US$ 1,5 bilhão dos chineses para construir um novo porto. Incapaz de reembolsar o empréstimo, o país concedeu a gestão do porto à China em 2017 por um período de 99 anos.

 

Sejam ambientais, sociais, fiscais ou políticos, existem muitos riscos geopolíticos para a Supply Chain. No entanto, a massificação dos intercâmbios internacionais exige a transição para uma nova geração de cadeias de valor. E, no entanto, restam duas perguntas: o que significa essa reconfiguração e quais são suas características definidoras?

 

Intercâmbio internacional, em direção a um novo tipo de Supply Chain ?

Desde 2015, as relações internacionais aumentam constantemente, atingindo em 2017 o nível mais alto em seis anos. Ao mesmo tempo, o PIB médio da França cresceu 1,5 ponto percentual, enquanto estagnou abaixo do ponto após a crise de 2008. Principalmente a causa desse crescimento, as empresas multinacionais, incluindo a sua, que hoje precisam enfrentar uma infinidade de desafios para permanecerem competitivas em um cenário hiper globalizado.

 

Antecipando grandes mudanças

Cinco tipos de indicadores devem ser considerados na cadeia logística ao lidar com incógnitas:

Diante desses fatores de mudança, a cadeia logística deve atingir um nível de flexibilidade nunca antes visto. O objetivo é entregar produtos no prazo. Eles também devem ser rastreados e mantidos a frio, se necessário, e devem cumprir as normas alfandegárias e cumprir os prazos de entrega acordados. Dadas essas restrições, as corporações multinacionais seriam tolas se não seguissem de perto as mutações sociais em nível mundial. Não compreender essas mudanças impedirá que tomem as decisões estratégicas corretas.

A solução é criar uma equipe de observação de notícias constantemente conectada a fontes de informação em todo o mundo. A equipe deve centralizar o entendimento das regulamentações alfandegárias, o cenário político de um país, o status da produção de commodities, os preços do petróleo e os dados meteorológicos.

 

Entendendo os dados climáticos

Os dados climáticos desempenham um papel central na venda de produtos sensíveis ao clima. Seu desafio é antecipar totalmente as necessidades de produção e os níveis de estoque. Isso pode incluir a modelagem de dados usando uma solução Vendor Management Inventory (VMI), oferecendo visibilidade de indicadores passados e futuros. Eles podem ser usados para guiá-lo no gerenciamento de estoque e produção e também podem ajudar a evitar a falta de estoque e custos logísticos excessivos.

 

Aumentando a agilidade das cadeias de suprimentos

Para manter sua empresa multinacional competitiva, não há dúvidas: você deve aproveitar a oportunidade oferecida pelas tecnologias emergentes. O objetivo? Melhore a agilidade e adapte-se rápida e continuamente à demanda volátil e cada vez mais segmentada dos clientes.

Essa oportunidade é oferecida principalmente pela inteligência artificial que, quando combinada com um Sistema de Gerenciamento de Pedidos ((OMS)), economiza bastante tempo. A solução oferece os seguintes recursos:

 

Para ler depois: Machine learning: uma revolução para a Supply Chain

 

Adaptação às mudanças nas necessidades do cliente

Confrontada com a urbanização e o envelhecimento da população, sua empresa deve atender às necessidades de consumidores cada vez mais exigentes, buscando novos serviços e transparência em relação à origem dos produtos adquiridos. Entrega em domicílio em uma hora, coleta gratuita na loja, atendimento ao cliente, garantias do fabricante e rastreamento de pedidos são apenas alguns dos serviços que os clientes esperam de um distribuidor ao fazer compras online.

Durante as crises alimentares, esses novos hábitos de consumo preparam o cenário para um novo conjunto de desafios de distribuição. Hoje, os distribuidores precisam se reinventar para atrair consumidores que se preocupam com qualidade, rastreabilidade e meio ambiente. Sua empresa também deve se adaptar às restrições da nova regulamentação. A supply chain é uma verdadeira impulsionadora da concorrência nessas circunstâncias.

 

Gerenciando uma Supply Chain cada vez mais complexa

Em um cenário internacional, a Supply Chain deve se adaptar aos seus muitos parceiros. Os principais desafios são barreiras linguísticas, acesso desigual ao software e à Internet e conformidade com os requisitos regulamentares. Para simplificar as operações e garantir a conformidade, as soluções colaborativas B2B chegaram ao palco.

No que diz respeito ao transporte, todas as empresas internacionais devem poder conciliar as rotas marítimas e aéreas para o tráfego overseas. Elas também devem ter uma compreensão constante de diferentes infra-estruturas rodoviárias perto de portos e áreas de entrega ao cliente final. O software de intercâmbio padronizado é particularmente útil para evitar atrasos e selecionar o método de transporte mais adequado a uma situação. Atenção especial deve ser dada à configuração de alertas, para prevenir danos ou incidentes à medida que ocorrem em tempo real.

 

Leia também: 3PL: Enfrentando o desafio da entrega last-mile

 

Diante de exigências cada vez mais rigorosas dos consumidores e fatores geopolíticos variáveis, as empresas multinacionais não têm escolha a não ser se adaptar se quiserem permanecer competitivas. Por onde começar ... Essa transição essencial requer uma mudança para uma organização mais flexível, proativa e ágil. Para criar e manter essa Supply Chain cada vez mais complexa, é imperativo apostar na antecipação e na colaboração.

Jean-Charles D…

Président Generix Group