Pular para o conteúdo principal
logistica urbana
Por Jean-Charles D…
on 19 Nov 2019 12:38 PM

A logística urbana é, atualmente, uma das grandes problemáticas que os profissionais da Supply Chain enfrentam. Ao lidar com fluxos de bens essenciais nas cidades congestionadas, ocupa e preocupa hoje em dia uma grande variedade de intervenientes: desde distribuidores a transportadores e logísticos, passando pelas autoridades locais e os habitantes… Como responder aos desafios que se encontram entre o desenvolvimento econômico, a qualidade de vida e a construção urbana? Num contexto em que a procura é tão grande como as fortes restrições impostas, os vários players não poupam esforços para encontrar novas soluções. Alguns desses players já estão abertos ao conceito de compartilhamento de transporte, de transporte multimodal e de gestão de espaços urbanos dedicados à atividade logística. Todas estas iniciativas merecem destaque e estão se desenvolvendo para agilizar as operações logísticas nas cidades, com o objetivo de garantir o seu bom funcionamento, agora e no futuro.

 

O inevitável boom da logística urbana

Atualmente, vários fenômenos conduzem à estruturação da logística urbana adaptada às limitações da distribuição. A começar pelo fenômeno de congestionamento nas cidades e a mudança nos hábitos de consumo.

 

Originalmente, um engarrafamento

Face ao crescimento demográfico dos grandes centros urbanos, as marcas foram forçadas a reagir, adotando uma estratégia de aproximação dos seus clientes. Como resultado, o número de pontos de venda no centro da cidade aumentou de forma significativa. Ao mesmo tempo, as referências nas lojas aumentaram, reduzindo a capacidade de armazenamento de produtos nas lojas. Numa altura em que os armazéns foram reduzidos ou mesmo eliminados, com uma grande procura de produtos frescos e personalizados, são necessários esforços adicionais para melhorar a rotatividade de estoques. Desta forma, para combater a concentração de fluxos de automóveis e transportes durante o dia, tornou-se essencial repensar os modelos de entrega na cidade.

 

Uma questão de evolução do comportamento de compra

A logística também está mudando sob a pressão dos consumidores, que estão cada vez mais adeptos das entregas a domicílio e das compras online de bens de consumo diário. De acordo com o FEVAD, atualmente, 37,5 milhões de usuários fazem as suas compras online e 500 milhões de encomendas são entregues todos os anos graças ao e-commerce. Este aumento de volumes, associado a um aumento das entregas nas zonas urbanas com envios cada vez mais fragmentados, continua a suscitar o receio de asfixia no centro das cidades.

 

Logística urbana: grandes desafios no futuro

Numa lógica de proteção do comércio de proximidade e de regulação do tráfego urbano que se tornou extremamente importante, o setor da logística urbana iniciou a sua transformação. No entanto, os profissionais da Supply Chain precisam redobrar os seus esforços para enfrentar vários desafios importantes e responder de forma eficaz às restrições econômicas, sociais e ambientais.

 

O custo do last-mile delivery

O último elo da cadeira logística é o mais caro, representando aproximadamente 20% do custo total. Isto ganha cada vez mais importância hoje em dia, pois as exigências dos consumidores estão levando os players do e-commerce e da Supply Chain a rever os seus processos de distribuição. O objetivo das empresas logísticas é, deste modo, aproximar-se ao máximo do centro nevrálgico das cidades.

 

Os vários restrições ambientais

Atualmente, considera-se que o setor do transporte é responsável por entre 35 a 50% das emissões de gases efeito de estufa, e que o transporte de mercadorias representa entre 15 a 20%. Depois de abordar as emissões do transporte de passageiros, as políticas públicas visam também reduzir a parcela do transporte de carga na mesma área. O setor de logística urbana enfrenta, desta forma, políticas ambientais cada vez mais restritivas.

Em Paris, por exemplo, o transporte urbano de mercadorias também representa 15% da movimentação de veículos, com uma taxa de ocupação das estradas de 25%. As mercadorias que transitam na cidade representam anualmente um peso de 55kg por francês e um total de 219 milhões de toneladas por ano para toda a população. Estes números significativos explicam, por si só, a razão pela qual as autoridades locais iniciaram uma verdadeira caça à poluição ambiental e sonora.

Isso sem mencionar a questão da escala para gerenciar em termos de políticas de transporte, estacionamento e desenvolvimento, acresce também a poluição ambiental e sonora. Desta forma, a ppolítica de estacionamento é tida em consideração a nível municipal, obrigando as transportadoras a adaptarem-se a cada município. O trabalho dos agentes da logística urbana torna-se ainda mais complexo.

 

Uma integração urbana difícil

Exigindo sérios direitos de passagem e o cumprimento das rígidas regras de segurança, atualmente, os armazéns logísticos são difíceis de registar nas áreas urbanas. Além disso, o Código Comercial exige a presença de um destinatário para a entrega das mercadorias, o que limita a possibilidade de entrega em horário atípicos.

 

As diferentes alavancas de ação da logística urbana

Neste contexto difícil, os agentes da logística urbana têm demonstrado uma imaginação sem precedentes nos últimos anos. Em colaboração com as autoridades locais, estão experimentando diferentes soluções que combinam partilha de transporte, transporte multimodal e soluções logísticas inovadoras..

 

A partilha de transporte para uma melhor organização

A partilha de transporte é uma estratégia para enfrentar o desafio da logística urbana. Nos últimos anos, o transporte multimodal e a estruturação de plataformas logísticas compartilhadas nas zonas urbanas foram objeto de experiências particularmente interessantes. Os princípios são simples, mas ambiciosos: aumentar os fatores de carga dos veículos, compartilhar os custos de armazenamento e entrega, incentivar a massificação dos fluxos e a utilização do transporte ferroviário e fluvial.

 

A utilização do transporte multimodal

Para conciliar a logística urbana e a qualidade de vida, muitas marcas já estão testando diferentes estratégias de transporte multimodal, como o Monoprix e Franprix, redes de supermercados na França.

Para o abastecimento das lojas em Paris, o Monoprix, por exemplo, optou por combinar o transporte ferroviário com o rodoviário. Os produtos são transportadas numa primeira fase por via férrea, dos armazéns para uma plataforma logística em Bercy. De seguida, caminhões equipados com sistemas de redução de ruído e veículos a gás e elétricos entregam aos consumidores no seu domicílio.

Graças a uma parceria entre a transportadora XPO Logistics, os Portos de Paris e os Voies navegáveis da França (Autoridade de navegação francesa), as lojas Franprix do grupo Casino optaram pelo transporte fluvial no Sena.

Ao mesmo tempo, os operadores e as autoridades locais estão a realizar outras experiências de transporte multimodal. Trata-se da entrega de mercadorias pesadas através de transporte fluvial proposta pelo operador belga Blue Line Logistics e de uma transformação de um antigo tramway (trem elétrico) num trem de carga de mercadorias, um projeto liderado pela metrópole de Saint-Étienne.

 

Gerir o acesso dos veículos às áreas de entrega

As zonas de entrega, embora sejam importantes instalações logísticas urbanas, infelizmente ainda são ocupadas frequentemente por veículos particulares, forçando o pessoal de entrega a estacionar ilegalmente. Para evitar estes problemas, atualmente estão sendo consideradas soluções como o controle de estacionamento por brigadas especializadas ou a utilização de sistemas tecnológicos.

 

Investir nas áreas logísticas

A observação é clara: a função logística afastou-se gradualmente do centro da cidade devido aos custos dos terrenos. A recuperação de terrenos logísticos no centro da cidade é, sem dúvida, uma das vias estratégicas a ser explorada para facilitar o fluxo de mercadorias nas áreas urbanas. Esta estratégia requer, em particular, a identificação de reservas de terrenos e a disponibilidade de espaços de dimensão suficiente a preços acessíveis.

 

Desenvolver hubs urbanos

Entre as soluções que podem dar uma resposta interessante em temos de logística urbana, estão também alguns conceitos inovadores de hotéis logísticos ou city hubs multifuncionais. O objetivo é combinar diferentes funções complementares dentro da mesma abordagem de desenvolvimento sustentável: plataformas de descarga de trens e caminhões, combinadas com plataformas de carga para veículos rápidos para entregas, zonas de armazenamento e preparação, escritórios, etc., tudo com elevados padrões de qualidade ambiental..

Várias área urbanas já apoiam e acolhem este tipo de projetos de estruturação. A área de Gran Lille, um espaço logístico polivalente, com uma área de 8 hectares, encontrou o seu lugar na zona portuária. Em Saint-Étienne, a área urbana optou por compartilhar a sua plataforma de distribuição para entregar mercadorias no coração da cidade através de veículos elétricos. Em Paris, o projeto Chapelle International é um verdadeiro teste de escala com a construção de um hotel logístico de 45.000 m2 num antigo terreno baldio ferroviário localizado na Puerta de la Chapelle, no 18º e arrondissement.

 

A logística urbana ocupa agora um lugar preponderante nos fluxos de transporte registados a nível nacional. Representa de igual modo um desafio importante para os operadores logísticos, que devem propor novos esquemas organizacionais alinhados aos desafios comerciais, urbanos e ecológicos que estão em jogo nos territórios a serem investidos. Muitas ações já foram tomadas para apoiar a sua transformação: o investimento em logística e o desenvolvimento de centros urbanos fazem parte das soluções futuras concebidas para continuar a satisfazer as necessidades de todos, respeitando as preocupações de todos.

Jean-Charles D…

Président Generix Group