Pular para o conteúdo principal
cibersecurity 2018

WannaCry, NotPetya, Industroyer… Os ataques cibernéticos mais uma vez tiveram efeitos devastadores nas empresas em 2017. Longe de desacelerar, a ameaça está aumentando a cada ano, conforme indicado no último relatório da Agência Francesa de Segurança Cibernética (ANSSI). Ao mesmo tempo, o volume de dados a serem processados pelas empresas continua a crescer, o que faz dos principais alvos para os hackers que estão sempre à espreita de resgates. Como se proteger contra ataques, especialmente considerando o RGPD? Vamos dar uma olhada nos números da cybersecurity de 2017

 

Ransomwares: empresas no olho da tempestade

Segundo a Agência Francesa de Segurança Cibernética (ANSSI), 2017 foi marcado por ataques cibernéticos de dimensões sem precedentes. Cada vez mais sofisticado, as ferramentas usadas nos ataques estão se espalhando a todo vapor e têm efeitos devastadores. A prova é que os hackers não hesitam mais em comprometer desenvolvedores de software e fornecedores em troca de enormes resgates. 

Com o ataque NotPetya lançado no início do inverno de 2017, as autoridades públicas puderam testemunhar em primeira mão as consequências desastrosas que um ataque cibernético mundial pode ter. No final de 2017, o Grupo Merck estimava as perdas como resultado do ataque em mais de 600 milhões de dólares. Em todo o mundo, as consequências financeiras do ransomware são estimadas em quase 2 bilhões de dólares - um impacto sem precedentes que revela uma ameaça crescente. Por exemplo, em 2018, já observamos um aumento de 8.500% no uso de cryptojacking.

Esses ataques recorrentes demonstram a fragilidade dos sistemas de informação (SI) e as consequências significativas que podem ter nas operações de negócios. No entanto, acima de tudo, eles nos lembram da necessidade real de implementar procedimentos de segurança cibernética.


Leia também: EDI: seus dados estão em risco? 

 

Os 5 eixos fundamentais para garantir a cybersecurity na sua empresa

 

O percentual de empresas vítimas de um ataque cibernético mais que dobrou entre 2014 e 2016, passando de 6,8 para 13,13%. Dado o alto risco, hoje não é mais possível ignorar nenhum desses eixos para garantir a ciberproteção. E você? Quão bem o seu sistema digital está protegido?

 

Fonte da imagem: Pxhere – Domaine public

Philippe SEGUIN

Directeur pôle industriel groupe