Pular para o conteúdo principal
EDI cybersecurity
Por Christophe Viry
on 08 Jan 2019 5:00 PM
  • EDI

A transformação digital está provocando mudanças profundas na forma como uma empresa opera: o uso de serviços de armazenamento on-line, aplicativos móveis ou a multiplicação de trocas eletrônicas. Neste contexto, recorrer ao Electronic Data Interchange (EDI) é uma solução quase inevitável. Mas com a desmaterialização e transferência de seus documentos, mesmo sensíveis, quais são os riscos para seus arquivos? Como garantir a segurança dos dados que você troca? Saiba mais.

 

Segurança de dados: você pode ser invadido?

Independentemente dos dados desmaterializados serem armazenados em servidores internos ou em cloud, é legítimo questionar sua segurança. É possível ser hackeado? Uma pessoa mal-intencionada pode acessar seus dados? A resposta é sim, mas existem soluções.

Primeiro, tenha em mente que nada - ou quase nada - é inviolável na internet. Mas hackear dados requer recursos significativos de tempo e dinheiro. Inútil, portanto, para um hacker, forçar o acesso a um arquivo do qual ele não terá o uso. Na verdade, apenas seus dados verdadeiramente estratégicos são ameaçados por possíveis ataques. Por exemplo, um balanço não possui o mesmo grau de sensibilidade de um pedido.

Para lidar com esses perigos os intercâmbios eletrônicos de dados (EDI) geralmente incluem ferramentas para garantir suas transferências de forma segura. A maioria também oferece a possibilidade de aumentar a segurança dos dados ao trocar documentos mais sensíveis e suscetíveis a ataques.

 

Rastreabilidade e integridade: fatores-chave para garantir transferências

Para proteger seus dados, duas questões devem ser atendidas: rastreabilidade e integridade dos dados.

Ao transferir documentos, verifique se o EDI registra todos os movimentos de arquivos em um banco de dados específico que podem ser visualizados a qualquer momento. Observe também que o sistema não para por aí, ele também indica a data e hora da transferência de documentos. Objetivo: rastrear movimentos e transferências de dados a cada minuto.

O EDI também preserva os dados de qualquer modificação ou alteração, seja intencional ou acidental, para garantir sua integridade. Para fazer isso, os arquivos transferidos são criptografados e só podem ser lidos quando são recebidos. Resultado: impossível interceptar documentos não autorizados durante a transferência e, portanto, hackear.

 

Proteger os dados armazenados por meio da criptografia

Se os dados puderem ser ameaçados durante as operações de transferência, o mesmo acontece quando eles são armazenados no servidor ou no cloud corporativo. Portanto, o EDI deve evitar violações e garantir a segurança dos dados armazenados. Para fazer isso, os documentos armazenados são criptografados com uma chave de criptografia e, portanto, impossíveis de ler. Assim, somente as operações autorizadas durante a implementação do EDI podem ser realizadas nos documentos criptografados.

Para decodificá-los, uma chave de descriptografia, colocada sob a responsabilidade do serviço de hospedagem, é necessária. No caso de criptografia de ponta a ponta, o provedor da solução em nuvem não pode acessar os dados armazenados, que são criptografados e descriptografados localmente.

 

O cloud: ideal para a segurança física dos dados

O cloud tem a vantagem de armazenar documentos on-line em servidores geograficamente remotos. Para garantir a segurança dos dados, os arquivos são duplicados e colocados em vários servidores. Se você perder um documento, outras versões estarão disponíveis e o incidente não afetará o fluxo de operações. Conveniente em caso de incêndio, avaria ou problema no servidor.

Exemplo de aplicação: Migre seu serviço de fax para o cloud

 

Processamento de dados: a força da blockchain

A blockchain é uma tecnologia de armazenamento e transmissão de dados, altamente segura e à prova de falsificação. Essa tecnologia é baseada em um banco de dados distribuído e não centralizado. Isso significa que há simultaneamente várias cópias dos mesmos dados nos diferentes computadores que compõem a rede blockchain. Objetivo: evitar violações de dados.

 

Sobre o mesmo assunto: Supply chain: uma visão detalhada da blockchain 

 

Para proteger as transferências de dados, a blockchain usa um sistema criptográfico assimétrico: para realizar uma transação, você precisa de uma chave pública (para criptografar os dados) e uma chave privada (para descriptografá-los). Mas antes de prosseguir com a troca, ela deve ser validada como um bloco pelos usuários aprovados da blockchain.

Por enquanto, a blockchain é usada principalmente no contexto de transações financeiras, mas muitas empresas estão planejando usá-la, quando for mais adequada às suas necessidades. A implementação de umm blockchain em sua empresa poderia, portanto, ser uma maneira de reduzir os intermediários no futuro, garantindo a segurança dos documentos transferidos!

 

É confiando nessas ferramentas (criptografia, cloud) e nas perspectivas que elas abrem (blockchain) que a segurança dos dados que você troca pode ser garantida. A Generix Group oferece soluções de colaboração multi-empresas que integram essas tecnologias. Objetivo: que seus dados tenham a melhor proteção contra ataques.

 

Fonte da imagem: Flickr Creative Commons – Blogtrepreneur

Christophe Viry

Expert in EDI, Software integration, e-invoicing…