Pular para o conteúdo principal
interoperabilidad plataforma digitalizacion de procesos
Por Christophe Viry
on 14 Aug 2019 3:00 AM

Discussões sobre o Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia) e a guerra comercial liderada pelos Estados Unidos podem fazer parecer que estamos entrando em um momento de desglobalização. No entanto, esses problemas provavelmente são temporários e não devem questionar a importância do comércio internacional. Em meio a uma aceleração na comunicação eletrônica internacional, a interoperabilidade das plataformas de digitalização de processos tornou-se preponderante. Isso é motivo de preocupação? E, mais importante, o que pode ser feito para melhorar a interoperabilidade do sistema? Neste artigo, examinamos os desafios da interoperabilidade do sistema.

 

Para plataformas de digitalização de processos

As empresas de hoje estão cada vez mais digitais, impulsionadas pelos objetivos de eficiência e lucratividade. Para chegar lá, eles se inscrevem em plataformas de digitalização de processos para tornar seus processos de compras, cadeia de suprimentos, jurídicos e de folha de pagamento eletrônicos. A Generix Group oferece uma solução de digitalização proeminente para processos de Supply Chain e faturamento.

Algumas soluções no mercado de digitalização hoje estão executando plataformas que lidam com altos volumes de informações relacionadas aos processos operacionais da empresa. No campo da fatura eletrônica, esses atores registram inúmeros movimentos financeiros de interesse das autoridades fiscais dos EUA. Essas soluções podem se tornar agências governamentais futuras ou podem estar sujeitas a vigilância intensificada. O modelo já está bastante presente em países como Rússia, México e China.

 

Interoperabilidade, para quê?

Interoperabilidade é a capacidade de um sistema ou plataforma receber dados de um parceiro independente ou de outra plataforma, como a de um concorrente. É necessário que os sistemas de faturamento eletrônico funcionem corretamente.

Este princípio de troca livre de informações entre os operadores também ajuda a garantir a redução de custos e maior eficiência de gerenciamento. Executivos entrevistados para o quinto relatório Europeu de desmaterialização financeira, estavam bem conscientes disso, classificando-o entre suas maiores preocupações.

 

Problemas e desafios da interoperabilidade

Todos os dias, milhões de documentos profissionais passam de um operador e de um país para outro através de mais de 2.000 redes espalhadas pelo mundo. De acordo com a regulamentação atual, a troca deve ocorrer diretamente entre os parceiros de vendas ou deve estar diretamente relacionada com as autoridades fiscais e alfandegárias.

Dependendo das necessidades específicas, cada parte pode ter requisitos específicos relacionados ao faturamento e à distribuição do documento de vendas. Com o passar do tempo, as redes mudaram de acordo com as necessidades individuais, geralmente em nível nacional e proprietário.De fato, tornou-se bastante difícil enviar mensagens entre redes, mantendo-se também totalmente interoperável.

A interoperabilidade também é prejudicada por modelos de dados, métodos de transporte ou regulamentos profissionais divergentes. E mesmo que os provedores de serviços tendam a aceitar a interoperabilidade, muitos deles pedem pagamento em troca ... o que pode ser proibitivo em muitos casos.

Para enviar faturas para seus clientes, alguns fornecedores são obrigados a usar um provedor externo que requer assinatura. Tais práticas impedem a livre circulação de informações, limitando assim a produtividade e obstruindo indiretamente a digitalização dos serviços.

O assunto ainda está sendo discutido no nível das autoridades públicas nacionais e européias, que querem formalizar a regulamentação. O objetivo é homogeneizar as práticas e permitir que todos os operadores joguem o jogo da interoperabilidade sem barreiras econômicas.

Como primeiro passo neste campo, a organização de padronização GS1 elaborou uma carta de interoperabilidade para soluções de faturamento eletrônico, assinada em 2013 por 35 operadoras.

 

Iniciativas para promover a interoperabilidade de plataformas de digitalização de processos

Tanto a nível nacional como internacional, os operadores de rede formaram parcerias para trabalhar em conjunto na interoperabilidade das plataformas de digitalização. As organizações que contribuem para melhorar a interoperabilidade incluem:

Vale também realçar que a União Europeia está atualmente trabalhando na interoperabilidade das transmissões entre operadores (EMSFFEI, subgrupo 4).

A interoperabilidade também requer que o padrão seja respeitado. Como tal, o Centro Europeu de Normalização propõe um modelo de dados interoperáveis para a contratação pública eletrônica, bem como um protocolo de transporte. Também adere ao regulamento da eIDAS que busca a identificação e a confiança digital.

 

Um olhar mais profundo ao OpenPEPPOL

A OpenPEPPOL é uma associação fundada em 2012 para dar continuidade ao trabalho do projeto PEPPOL. Como uma iniciativa europeia, procurou facilitar as transações de vendas dentro da União Europeia através da implementação de uma "open network ".

Sob este sistema, os players certificados OpenPEPPOL se tornaram "providers " certificados na rede PEPPOL. Ao ligar para fornecedores certificados, as empresas podem usar serviços de rede open network para trocar informações com clientes localizados em cerca de vinte países europeus.

O sistema é fácil de usar. Envie seus arquivos para a rede PEPPOL, que os distribuirá gratuitamente aos destinatários. Isso deve cobrir toda a cadeia de compras (referências de produtos, pedidos, remessas), mas é particularmente útil para a fatura eletrônica.

 

Blockchain, uma solução de interoperabilidade

Certamente não haveria problemas de interoperabilidade se todas as operações fossem gerenciadas por meio de uma única Blockchain. Hoje, os governos estão considerando qual posição tomar em resposta a essa questão.

Devemos continuar a deixar os operadores agirem lado a lado ou criar uma Blockchain pública? O mercado deve ser aberto a entidades privadas? Como tal blockchain poderia ser administrada? E por último, poderia uma Blockchain cujos mineiros são principalmente chineses ou russos serem considerados verdadeiramente independentes?

Mesmo que a tecnologia possa potencialmente resolver o problema, o risco financeiro é substancial. O debate ainda está aberto, mas não resolvido.

 

Com a crescente digitalização das empresas, a interoperabilidade dos sistemas de informação está se tornando uma questão altamente estratégica, especialmente quando se trata de faturamento. Por esta razão, os governos e algumas partes interessadas na digitalização estão empenhados em tornar os sistemas plenamente operacionais, tanto a nível europeu como mundial. Talvez até podermos resolver o problema com a Blockchain. Seja qual for o método adotado, a interoperabilidade parece ter um futuro brilhante pela frente.

Christophe Viry

Expert in EDI, Software integration, e-invoicing…