O impacto direto das compras on-line sobre as operações de armazém

Publicado em 30 Abril 2021

Compras-online-armazém
adriana_di_vito
Di Vito
Adriana
Partnel Channel
Categorias
Armazém
E-commerce

A definição do que constitui um armazém hoje é difícil de precisar, em grande parte devido a uma transformação que vem ocorrendo ao longo da última década. As empresas que operavam armazéns foram forçadas a adotar novas práticas à medida que os clientes, tanto comerciais quanto varejistas, se tornaram muito mais exigentes. Estas novas práticas operacionais de armazéns são impulsionadas pela tecnologia de dados que também provocou enormes mudanças em toda a estrutura da supply chain.

Solução
generix_software_wms_gestao_armazem

Generix WMS Warehouse Management System

Confira a página dedicada para descobrir todos os recursos e muito mais Descubra
generix_wms_e_logistics

Generix WMS e-Logistics

Confira a página dedicada para descobrir todos os recursos e muito mais Descubra
Siga-nos

Nenhuma empresa contestaria que o cliente de hoje espera e exige mais e, no caso de um consumidor de varejo, está mais disposto a descartar a fidelidade à marca em favor de um serviço de alta qualidade. Vivemos em um mundo centrado no cliente, uma das muitas características de um mundo movido a energia digital.


O que isso significou para o armazém é uma mudança no atacado de meramente armazenar estoque para efetivamente se transformar em um centro de distribuição. De acordo com o website, SupplyChainMinded, em uma supply chain tradicional, os armazéns tinham que “armazenar a quantidade máxima de cada produto, em todos os lugares, a todo momento. Isso foi crítico, diz o site, devido a falta de fluxo de informações e mecanismos de planejamento na supply chain. Portanto, os armazéns foram superlotados com estoques por longos períodos antes que os produtos fossem necessários e finalmente enviados.


Indústria 4.0 e modelos de negócios em mudança

Esta visão tradicional de um armazém e supply chain pode parecer ultrapassada hoje em dia, mas é importante lembrar que faz apenas dez anos que o termo "Indústria 4.0" nasceu, em 2011, graças ao Ministério Alemão de Educação e Pesquisa, que estava procurando uma maneira de descrever como os sistemas ciberfísicos poderiam ser responsáveis pela evolução de novos modelos de negócios na manufatura.

À medida que esses modelos de negócios evoluíam, tudo o mais associado à fabricação também evoluía, incluindo as supply chains e, finalmente, as operações de armazém. Hoje, as supply chains podem ser tão digitalizadas quanto as operações de fabricação e, de fato, precisam ser, para que possam ser ágeis o suficiente para responder às mudanças das condições econômicas e de mercado. Isto é especialmente verdadeiro para operações de armazém, que agora devem lidar diariamente com vários tipos diferentes de pedidos: pedidos de paletes tradicionais juntamente com pedidos individuais do comércio on-line.


Onde os reais são uns e zeros

Em um mundo digital, tudo se move mais rápido do que nunca, especialmente o comércio. No final dos anos 90, enquanto as empresas experimentavam websites nos quais anunciar e vender seus produtos, outras empresas desenvolveram o software que facilitaria as transações financeiras pela Internet. Nasceu o e-commerce.


Os primeiros dias do comércio on-line estavam repletos de desafios, tais como como fazer transações seguras, como lidar com o atendimento de pedidos on-line e como enviar esses pedidos de forma rápida e barata. Mais uma vez, foram desenvolvidas tecnologias para resolver os problemas.


O varejo online, ou e-commerce, teve um tremendo crescimento em um período de tempo muito curto. Em 2007, as compras on-line representaram 5% das vendas totais no varejo; em 2019, esse número havia subido para 16% de todas as vendas (excluindo combustível, compras em restaurantes e itens não tipicamente comprados on-line, como carros).


O medo traz mudanças

A razão pela qual em 2020 houve um aumento no e-commerce se resume a um fator: a Covid-19. As pessoas estão ficando longe das lojas e se voltando para seus tablets, laptops e smartphones para comprar. Pesquisas indicam que esta mudança poderia se tornar permanente; a compra da Whole Foods pela Amazon em 2017 destacou a noção de compras online de mercearia. O Walmart começou a vender mercearias on-line em 2018. Ambas as empresas estão testemunhando um aumento dramático em seus negócios de e-commerce de mercearia em 2020, impulsionado pelo medo das pessoas de entrar nas lojas durante a pandemia. E este cenário segue em 2021.


Como resultado, as empresas de distribuição de alimentos enfrentam enormes pressões. Os alimentos, especialmente frutas e vegetais frescos, têm um prazo de validade finito. O aumento da demanda on-line dos consumidores por aliementos significou que os distribuidores de alimentos devem confiar na qualidade de seus sistemas de gerenciamento de armazém (WMS) para garantir entregas dentro do prazo. Rastreamento de data de validade, rastreamento de lote, os princípios de first-in-first-out (FIFO), e first-expiration-first-out (FEFO), e transporte de primeira linha e planejamento de rotas são os elementos centrais de um WMS. A pandemia torna estes elementos críticos.


A era digital forçou uma transformação das antigas operações de armazém em centros de distribuição impulsionados pela tecnologia, onde os dados são capturados em inúmeros pontos e analisados, impulsionando previsões e recomendações baseadas em IA para os operadores de armazém, tudo em nome da eficiência, velocidade e lucratividade.


Crescimento acentuado em armazenamento

A fim de entregar as mercadorias rapidamente e dentro do prazo aos clientes, o número de armazéns-centros de distribuição cresceu. Houve um aumento de quase 3.600 armazéns, um salto de 25%, nos Estados Unidos, apenas nos últimos 10 anos. Os especialistas atribuem isso a dois fatores:

 

  • Melhorias tecnológicas na manufatura desde 2009, que também impulsionaram melhorias em toda a supply chain
  • O crescimeneto contínuo do e-commerce na América que criou uma demanda por mais espaço de armazenamento


Uma corrente é tão forte quanto seu elo mais fraco", diz o ditado. Todos os elos de uma supply chain são críticos, mas pode-se argumentar que a logística é a mais crítica, pois envolve o movimento de matérias-primas, produtos parcial ou totalmente acabados, e o armazenamento a curto ou longo prazo desses itens. Nenhum elemento do componente logístico da supply chain pode ser o elo fraco ou toda a supply chain é adversamente afetada. Felizmente, isso não tem mais que acontecer, graças à mudança de paradigma na gestão da supply chain que resultou dos benefícios da tecnologia.


Plataformas de software projetadas e implementadas para garantir que cada aspecto da função da supply chain seja atendido são revolucionárias. Entretanto, também é primordial lidar com uma empresa de tecnologia de software que possa não apenas implementar essas soluções, mas também criá-las para começar. A Generix Group é uma empresa global especializada em soluções de colaboração na supply chain em mais de 60 países em todo o mundo.


A Generix Group oferece tecnologias de software em toda a supply chain com sua plataforma Generix Supply Chain Hub, cobrindo todos os componentes críticos de uma supply chain moderna. Entre em contato conosco hoje para saber mais.

Recursos
Show less resources
Mostrar todos os recursos