Automação e gestão de armazém em tempos de Covid-19

Publicado em 17 Agosto 2020

automação e gestão de armazéns
Esther Gurría
Esther
Gurría
Marketing & Communication Manager Spain
Categorias
Armazém

Ignacio García Generix Group Entrevistamos Ignacio García, Diretor Comercial da Generix Group Spain e fizemos várias perguntas sobre as tendências que ele notou no mercado de automação e gerenciamento de armazéns em meio à pandemia da Covid-19 e depois.

Como o mercado se comportou com a pandemia?

A logística é uma atividade intimamente relacionada com a atividade comercial, pelo que o impacto está intimamente relacionado com a evolução do produto que gerem. Tivemos clientes que tiveram de fazer esforços reais para responder ao aumento da demanda, especialmente em determinadas gamas de produtos, que tiveram grande procura durante o confinamento; enquanto outros clientes viram sua atividade muito reduzida e até paralisante ... Dependendo do tipo de produto e canal de venda, o impacto tem sido muito desigual.

Em qualquer caso, a logística e o transporte são uma atividade de serviço altamente sacrificial, com grande capacidade de adaptação, criatividade e colaboração. Os clientes têm sido muito ágeis em equilibrar seus recursos, em modificar seu negócio para adaptá-lo ao novo cenário, com imaginação e esforço. Sem dúvida, o papel da tecnologia nesses momentos também tem sido fundamental, como alavanca de mudança em muitas dessas adaptações às necessidades de um mercado convulsionado pela pandemia.

Você está percebendo um aumento no interesse de clientes ou potenciais clientes por soluções de automação e gerenciamento que evitam o contato físico?

Não só pelo contato físico, mas pela segurança em geral e em todo o processo logístico. Aspectos de segurança e rastreabilidade, rastreamento de pedidos, monitoramento da cadeia de suprimentos, bloqueio de lotes de produção, qualidade, etc. foram revisados ​​novamente em uma infinidade de setores: alimentos, bebidas, farmacêutico, frigoríficos, etc.

Outro bloco fundamental de interesse por parte dos clientes é tudo o que se refere ao teletrabalho, quer ao nível do teletrabalho propriamente dito, podendo trabalhar a partir de casa gerindo o armazém ou transporte da sua empresa da mesma forma como se estivesse sentado na sua plataforma logística; bem como no que diz respeito a ter cadeias de abastecimento integradas - que permitem ter a informação necessária de qualquer ponto para tomar decisões rápidas - e a visibilidade da cadeia de abastecimento para disponibilizar informação em tempo real aos clientes e distribuidores de forma autônoma por meio de portais e aplicativos.

Logicamente, a adequação às medidas sanitárias nas instalações, desde o poder de nomear as transportadoras, evitar aglomerações nas entradas e saídas ou melhorar o funcionamento com o uso de tecnologias como voz para a preparação de pedidos, e como você diz, incorporar automações na operação é outra das tendências que têm sido reforçadas pelo efeito da pandemia.

Que soluções de automação estão tendo melhor acolhimento na área de logística e transporte neste contexto de crise sanitária?

Já mencionamos várias, mas acho que vamos encontrar dois tipos de abordagens em um cenário tão fluido quanto o atual. Nos primeiros momentos, o que tem prevalecido tem sido a capacidade de resposta, a flexibilidade para adequar a operação à nova demanda, poder transferir fluxos tradicionais para as vendas do e-commerce, com tensões tanto na parte do abastecimento de certos produtos - desde máscaras e géis a snacks e rolos de bicicletas - o abastecimento destas lojas (alimentação, saúde…) cuja demanda tem crescido mais.

O que achamos que virá de agora em diante é uma revisão das capacidades logísticas em áreas que provaram ser fundamentais:

  • E-commerce:  A Covid-19 universalizou o uso do comércio eletrônico para todos os tipos de setores. Em muitos clientes, foi a única alternativa comercial. Visibilidade da cadeia de suprimentos:
  • O abastecimento é fundamental, não é infinito e temos que ter capacidade de resposta e planos de contingência, fornecedores alternativos, etc.
  • Digitalização de toda a Supply Chain: permitindo não só o teletrabalho mas também tendo todos os processos integrados, desde o pedido à fatura, integrados com o ERP, WMS, transporte, etc.

Que tipo de clientes são os que mais o solicitam?

O mais surpreendente é que estas mudanças são multisetoriais. Temos clientes automotivos com cadeia de abastecimento para oficinas similares àquelas que podem se aplicar a indústria farmacêutica em 2 horas, e-commerce na construção civil com processos muito específicos, integração de fornecedores do setor industrial ... a digitalização da cadeia abastecimento, mudanças no mercado, o papel da logística como chave do serviço… são tendências que a Covid-19 acelerou por exigência do negócio, mas que atingem todos os tipos de clientes. A mensagem positiva é que o salto tecnológico e de negócio está cada vez mais fácil, com o apoio de empresas como a nossa e a disponibilização de soluções integradas na modalidade SaaS. Nunca foi tão fácil desfrutar de uma tecnologia que possibilita toda essa transformação do seu negócio.

Era uma tendência que vinha se consolidando nos últimos anos e que o coronavírus intensificou ou, ao contrário, a pandemia levou a uma mudança nos hábitos de demanda?

Podemos falar principalmente sobre tendências que se intensificaram. Talvez vejamos alguma mudança quanto à diversificação ou realocação de fornecedores em produtos sanitários ou produtos críticos, com processos de reforço de fornecedores nacionais seria razoável prever alguma mudança nesse sentido ou a criação de armazéns de reserva nas proximidades, embora estes tipos de processos implicam em aumento de preço e essa é uma tendência - a redução de custos - que vai oferecer muita resistência.

O impacto das mudanças nos hábitos de compra é principalmente o que marcará a tendência no médio prazo. O e-commerce, a casa como centro de atividade (do lazer ao trabalho), entrega a domicílio, digitalização… são tendências que vão na mesma direção e com muita força. Jusante implica mudanças importantes na logística, nos modelos de entrega, no papel dos operadores como gestores do relacionamento com o cliente, etc. e também na digitalização do serviço, que se inicia num processo on-line e que deverá ser desenvolvido on-line entre vários players altamente integrados desde o prestador até à entrega final.

Que outras mudanças você está percebendo na dinâmica do mercado com o coronavírus?

Temos que ver o impacto econômico da crise e como ela afetará setores-chave do nosso mercado: Turismo, automotivo, construção ... tanto devido à demanda externa quanto à potencial perda de renda e emprego. Enquanto isso, setores como saúde ou alimentação não HORECA (hotéis, restaurantes e cafés) vivenciam tensões crescentes que não sabemos se vão se resolver nos próximos meses… Esperamos um ambiente muito dinâmico, de transformação, adaptação de canais e processos logísticos para se adaptar a tudo isto e onde pode haver todo o tipo de tensões. O tsunami está passando, mas não podemos avaliar os efeitos e as transformações que ele nos trará.

Recursos
Show less resources
ag-sce-guia-absoluto-wms-gartner-br-2
- 25/03/2020
Guia Absoluto WMS - Gestão de Armazém

Com a evolução de suas tarefas, a visão do armazém mudou drasticamente nos últimos anos.

Saiba mais
Mostrar todos os recursos