2021: 5 desafios logísticos pós-pandemia

Publicado em 11 Março 2021

desafios logísticos pós pandemia
María Jesús Sobrino
Mª Jesús
Sobrino
Business Development Manager Supply Chain Solutions na Generix Group Spain
Categorias
Armazém
Transporte
Supply Chain
  • Uma transformação digital profunda é o caminho da logística em 2021
  • A logística está à beira de uma etapa de sucesso extraordinária

Ainda em meio à pandemia e sujeito à incerteza até que as vacinas nos tragam gradualmente de volta à normalidade, o que podemos saber com certeza é que a crise da Covid-19 trouxe mudanças que aceleraram a transformação de muitas atividades, especialmente as do setor de logística.

Responder à explosão do e-commerce motivada pelos confinamentos tem sido um grande desafio para todas as cadeias de abastecimento e tem acelerado transformações que, sem dúvida, estavam ocorrendo e que colocam o setor diante de novos desafios. Definitivamente, o mundo da Supply Chain, que já estava mudando, vai mudar de forma notável e acelerada.

Os operadores logísticos inevitavelmente enfrentarão exigências muito altas, não apenas em termos de flexibilidade e rapidez de resposta, mas, mais difícil e decisivo ainda, a necessidade de manter a rentabilidade em uma atividade muito complexa, onde até mesmo uma pequena ineficiência ameaça a margem de lucro.

Uma profunda transformação digital é o caminho que o mundo da logística vai ter que percorrer neste novo ano. A boa notícia é que o setor de logística não só demonstrou sua capacidade de responder às necessidades durante a crise, mas que, através da automação e ferramentas de digitalização, pode estar enfrentando uma oportunidade, à beira de uma etapa de sucesso e desenvolvimento extraordinários.

Os 5 principais desafios de 2021

 1. Digitalização do documento de transporte (DT-e)

A logística é acima de tudo a organização eficiente da movimentação de produtos, portanto, qualquer ferramenta que reduza tempo, custos e erros é essencial no ambiente exigente de hoje.

O Documento Eletrônico de Transporte (DT-e) se tornará uma forma fundamental de simplificar e otimizar a documentação do transporte rodoviário de carga. Mas o DT-e é muito mais, pois permite evitar longas filas e diminuir o tempo de parada dos veículos, além de procedimentos burocráticos em geral, tudo através de um aplicativo móvel.

 2. Previsão da demanda (VMI, GMA, Pooling) 

Reduzir o nível de incerteza é outra das necessidades logísticas e, nessa tarefa, as soluções de Vendor Managed Inventory (VMI) estão voltando de mãos dadas com a automação com ferramentas que permitem desenvolver todo o seu potencial.

Compartilhar os custos de transporte e distribuição de cargas graças a um provedor logístico comum é uma forma eficaz de maximizar cargas, além de manter níveis de estoque otimizados. Neste sentido, a também chamada Gestão Compartilhada de Aprovisionamentos (GMA) permite obter economias de escala nos custos de armazenagem, tanto para fabricantes como para distribuidores, agrupando vários agentes em torno do mesmo processo de aquisição, compartilhando os custos de transporte e distribuição de suas mercadorias graças a um fornecedor de logística comum e um único circuito.

software VMI ajuda a compartilhar dados e pode localizar e gerenciar os níveis de estoque com base no consumo real do produto nas lojas. Desta forma, o lucro é maximizado, uma vez que os fornecedores abastecem o ponto de distribuição com a quantidade certa de produtos na hora certa, levando em consideração os diferentes períodos do ano com seus picos de consumo sazonais e tendências de mudança.

 3. Dark Store

O e-commerce tem sido o grande protagonista da pandemia e vai ser, goste ou não, a grande revolução do comércio, não no futuro, mas imediatamente. Uma Dark Store nada mais é do que um espaço administrado exclusivamente para pedidos de compras on-line. A vantagem sobre o sistema de compras tradicional sobre o estoque do ponto de venda é que na Dark Store não há mais consumo do que o recebido online, o que facilita o gerenciamento dos estoques e evita surpresas em termos de ruptura de estoque, algo muito penalizado pelos compradores digitais.

E não estamos falando apenas de itens não preparados ou pré-preparados, mas de todos os tipos de produtos. A Generix Group tem experiência internacional com clientes que oferecem on-line não apenas produtos frescos e pré-preparados, mas também aqueles que requerem preparação expressa, como açougues e peixarias. Obviamente, para iniciar uma Dark Store é essencial ter um sistema de gerenciamento de armazém (WMS) robusto, escalonável e versátil.

Leia também: Gerenciando um armazém de e-commerce: a história de sucesso italiana de Il Gigante

 4. Automação dos armazéns

Outro desafio que o mundo da logística enfrenta é a automação dos armazéns, o coração da Supply Chain. Um armazém automatizado elimina tarefas tediosas, reserva o pessoal para as tarefas de valor agregado e melhora a produtividade ao alcançar uma capacidade de resposta muito maior tanto nos picos de atividade quanto em quedas,  tornando a empresa menos vulnerável às dificuldades de contratação temporária típicas de épocas de alta demanda. Também melhora a densificação do próprio armazém, otimizando o uso do espaço, e reduz os erros de execução.

As possibilidades são amplas: sorters, voice picking, pick e put to light com luz ou com telas, goods to man, veículos guiados automaticamente (AGVs), etc. em qualquer caso, o uso de dispositivos automatizados requer um planejamento detalhado e abrangente para que seu equipamento seja compatível e possa interagir com os sistemas de gerenciamento de armazém da empresa.

 5. IOT e Blockchain

Por último, a tecnologia Blockchain, de que todos ouvimos falar e sua aplicação à IOT (Internet of Things) pode dar passos decisivos neste e nos próximos anos de mãos dadas com 5G, o que sem dúvida significará uma transformação no mundo logístico com implicações que são difíceis de avançar como um todo, mas que sem dúvida serão decisivas.

Com a informação coletada pelos próprios objetos e máquinas conectadas, recebida através de redes privadas, específicas para o IOT ou mesmo as redes públicas que todos nós usamos, será possível processar estes dados para convertê-los em informações relevantes para cada usuário e analisá-los de múltiplos pontos de vista, naturalmente também a partir da previsão da demanda ou da rastreabilidade quase total, entre muitas outras opções. Um salto na qualidade dos serviços para o usuário final, mas também uma revolução em termos de eficiência dos processos logísticos.

Recursos
Show less resources
Mostrar todos os recursos